segunda-feira - 14/06/2021
spot_img

Comissões presididas por Álvaro votaram 973 projetos em 122 reuniões em 2018

O balanço das atividades da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJ) apresentou números expressivos de processos votados durante o ano de 2018. Os parlamentares membros da CCJ votaram ao todo 751 projetos de lei em 72 reuniões realizadas. Já a Comissão Mista da Casa de Leis votou, durante o ano passado, 222 projetos e realizou 50 reuniões. Os relatórios foram divulgados pelo presidente das comissões, deputado estadual Álvaro Guimarães (DEM).
Álvaro avalia com um saldo “altamente positivo” os trabalhos em 2018, onde fecha também dois anos à frente da CCJ e da Comissão Mista. “Foi um período de muito trabalho. Eu tive uma certa facilidade porque eu estou aqui há muitos anos. Além da experiência adquirida durante este tempo conto também com a amizade de todos os deputados, principalmente os membros da CCJ. Eles sempre me deram condições de trabalho, comparecendo às reuniões e participando das votações, quer seja de projetos de deputados ou do Governo. Isto permitiu que esgotássemos todas as pautas tanto em 2017, quanto em 2018”, relata.
O parlamentar explica que apenas um projeto ficou sem ser apreciado no ano passado, mas por causa de uma estratégia do Governo: a Lei Orçamentária Anual (LOA) de 2019, que foi votado agora em janeiro. De acordo com ele, 2018 trouxe um encargo extra por se tratar de período eleitoral. Mas mesmo assim, o deputado considera que o trabalho na Comissão e na Casa como um todo foi promissor. “Foi um trabalho consciente dos deputados, que precisavam fazer suas campanhas, mas tinham de estar aqui também para cumprir o trabalho na Casa, quer seja discutindo projetos do governo ou de parlamentares”.
Um dos momentos mais difíceis nas artividades da CCJ em 2018, foi, segundo Álvaro Guimarães, a votação do projeto do governo que tratava da revisão de incentivos fiscais a empresas. “Foi uma verdadeira queda de braço com os empresários, mas no final chegou-se a um consenso e todos ficaram satisfeitos. Quem saiu ganhando foi principalmente o Estado de Goiás”, pontua.
Ele destaca também o projeto das emendas impositivas, aprovado no segundo semestre de em 2018. “Tivemos que fazer uma uma alteração na lei, diminuído de 1.2 por cento da receita líquida do Estado para 0,6 por cento. Isso em desfavor dos deputados é claro. Mas nós aceitamos a as ponderações do governo jogamos essas emendas todas para a área de saúde, o que vai permitir a compra de medicamentos, de ambulâncias e outros benefícios para a população.
Outra matéria polêmica foi a criação de mais cinco vagas de desembargador, projeto este enviado pelo Tribunal de Justição do Estado, além da votação da criação de vagas para juiz substituto. “O presidente e vários embargadores estiveram aqui para debater conosco”, lembra.
Dos mais de 700 projetos da CCJ, 418 tiveram parecer favorável e 130 obtiveram pareceres contrários da Comissão, todos oriundos de parlamentares. Com apensamento foram 26 processos e 20 foi o número de projetos emendados pela CCJ durante 2018.

VEJA TAMBÉM

SIGA NAS REDES

2,837FansLike
1,019FollowersFollow
0SubscribersSubscribe

PUBLICIDADE

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img